Entenda o que é diabetes gestacional e quais os sintomas

diabetes gestacional: o que é e quais os sintomas

diabetes gestacional é um tipo de diabete, que, como o próprio nome já diz, acontece durante a gestação. Precisa de diagnóstico certeiro e cuidados durante a gravidez, pois, representa risco para a mãe e para o bebê. 
 

O que é diabetes gestacional? 

O diabetes mellitus gestacional é um tipo de intolerância a carboidratos (açúcares) de intensidade variável, que se inicia durante a gestação atual, sem ter diagnóstico de diabetes prévio. 

Se caracteriza por níveis elevados de açúcar no sangue. 

É uma condição metabólica que merece atenção e cuidado, pois, representa perigo para a gestante e para o bebê, além de ser um importantíssimo fator de risco para o desenvolvimento de diabetes mellitus tipo 2 e síndrome metabólica para essa mulher após o parto. Alguns estudos demonstram que os filhos de mãe diabética também apresentam maior incidência de obesidade e distúrbios metabólicos. 
 

Quais são as causas da diabetes gestacional? 

A gestação é uma condição que predispõe as alterações de glicemia (açúcar do sangue). Mudanças nos mecanismos de controle da glicemia, pois, mãe precisa prover glicose para o feto, fazem com que o organismo materno seja mais resistente aos efeitos da insulina, que é o hormônio que reduz os níveis de açúcar. Além disso, alguns hormônios presentes na gestação fazem com que haja maior liberação de glicose pelo fígado. 

Esse mecanismo acima citado ocorre em todas as gestantes. 

Porém, existem fatores de risco que associados a essas adaptações criam o ambiente favorável para o desenvolvimento do diabetes gestacional. Dentre eles: 

  • Idade (risco aumenta com o avançar da idade);  

  • Sobrepeso/obesidade prévia a gestação;  

  • Ganho de peso acima da média durante a gestação;  

  • Síndrome dos ovários policísticos;  

  • Hipertrigliceridemia; 

  • Hipertensão arterial sistêmica;  

  • Uso de medicamentos hiperglicemiantes (corticoides, por exemplo); 

  • Antecedentes obstétricos: perdas gestacionais prévias, história de Diabetes gestacional prévio, recém-nascido anterior com peso ≥ 4.000 g. 

 

Sintomas de diabetes gestacional 

Muitas vezes não há sintomas, portanto, o teste diagnóstico é imprescindível para a identificação e tratamento adequado. 

Os sintomas, quando presentes, são inespecíficos como: 
 

  • Ganho excessivo de peso na grávida ou no bebê; 

  • Aumento exagerado do apetite; 

  • Cansaço excessivo; 

  • Vontade de urinar frequente; 

  • Visão turva; 

  • Muita sede; 

  • Boca seca; 

  • Náuseas. 
     

Quais são os riscos para a saúde do bebê? 

O bebê fica exposto a níveis elevados de glicemia e de insulina, o que estimula o ganho de peso excessivo e crescimento desproporcional de alguns órgãos. 

Nos primeiros dias de vida existe risco significativo de hipoglicemia, que é a baixa de açúcar no sangue. A hipoglicemia pode ser um quadro grave, que leva a convulsão, coma, lesão neurológica permanente e até morte. 

Na infância e vida adulta há maior incidência de obesidade, síndrome metabólica e diabetes. 
 

Como é o diagnóstico da doença durante a gravidez? 

Geralmente o diagnóstico acontece no segundo ou terceiro trimestre da gestação. 

Na primeira consulta de pré-natal, no primeiro trimestre da gestação, as gestantes devem ter sua glicemia dosada. 

  • Glicemia em jejum ≥ 126 mg/dL ou  HbA1c ≥ 6,5% sugerem o diagnóstico de Diabetes Mellitus prévio a gestação.  

  • Glicemia de jejum entre 92 mg/dL e 125 mg/dL sugere o diagnóstico de Diabetes Mellitus Gestacional.  


É importante que todas as gestantes sejam submetidas ao teste de sobrecarga oral com 75 g de glicose, também conhecida como curva glicêmica, entre 24 e 28 semanas de gestação.  

O diagnóstico de diabetes gestacional segue a seguinte tabela de valores de referência (qualquer um dos valores alterado): 
 

  • Glicemia em jejum ≥ 92 mg/dL;  

  • Glicemia 1 hora após sobrecarga ≥ 180 mg/dL;  

  • Glicemia 2 horas após sobrecarga ≥ 153 mg/dL. 
     

Qual o tratamento para a diabetes gestacional? 

O tratamento do diabetes gestacional segue o tripé do diabetes convencional, como alimentação, atividade física e medicamentos. 

Dieta balanceada e equilibrada, e atividade física regular são a base do tratamento. 

O tratamento medicamentoso, quando necessário, se baseia no uso de insulina sub-cutânea. 
 

Dieta para diabetes gestacional 

A alimentação da gestante, com diabetes ou não, deve ser balanceada e variada. 

O ideal é que a dieta tenha regularidade de horários e controle do tamanho das porções, com 3 refeições médias e de 3 a 4 refeições pequenas distribuídas uniformemente durante o dia.

Algumas dicas que podem auxiliar na escolha dos nutrientes: 
 

  • Controlar o consumo de carboidratos; 

  • Reduzir o consumo de açúcares e farinhas; 

  • Preferir carboidratos complexos (integrais); 

  • Consumir mais fibras – frutas e verduras folhosas; 

  • Cuidado com tubérculos e amido; 

  • Não pular refeições; 

  • Consumir mais proteínas; 

  • Gorduras boas, como castanhas e azeite de oliva. 
     

Prevenção 

Reduzir fatores de risco preveníveis, sendo importante controlar o ganho de peso durante a gestação, ter alimentação balanceada e fazer atividade física regular. 

Realizar os exames de pré-natal permite a identificação precoce e tratamento adequado, reduzindo os riscos para a mãe e o bebê. Além disso, é importante manter os exames de check-up, como o de triglicérides e de colesterol, sempre em dia para avaliar a saúde da mãe. 

Estes exames estão disponíveis no Bronstein e você pode agendá-los na nossa plataforma de agendamento online.